SEJA BEM VINDO(A) - COMUNIDADE CATÓLICA DE ALIANÇA SAGRADA FAMÍLIA: LEVANDO JESUS AS FAMÍLIAS PELA AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO!

quarta-feira, 30 de abril de 2014

FÁBULA DO PORCO-ESPINHO

Nem sempre é fácil se relacionar bem. Um bom convívio não é aquele que une as pessoas perfeitas, mas aquele em que cada um aprende a conviver respeitando o outro. A convivência entre as pessoas sempre foi muito discutida. Uma galera preocupada com o convívio social refletiu e sugere dicas. Assim como, há muito séculos, o filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788-1860) escreveu a “Fábula do porco-espinho”, que pode ser aplicada à convivência social.


Durante uma era glacial, quando o globo terrestre esteve coberto por grossas camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio intenso e morreram, por não se adaptarem ao clima gelado.

Foi então que uma grande manada de porcos-espinhos, numa tentativa de se proteger e sobreviver, começou a se unir, a juntar-se um pertinho do outro. Assim, um podia aquecer o que estivesse mais próximo. E todos juntos, bem unidos, aqueciam-se, enfrentando por mais tempo aquele inverno rigoroso.

Porém, os espinhos de cada um começaram a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que lhes forneciam mais calor, calor vital, questão de vida ou morte. Na dor das “espinhadas”, afastaram-se, feridos, magoados, sofridos.

Dispersaram-se por não suportar os espinhos dos seus semelhantes. Doíam muito. Mas essa não foi a melhor solução: afastados, separados, logo começaram a morrer congelados. Os que não morreram, voltaram a se aproximar, pouco a pouco, com jeito, com precaução, de tal forma que, unidos, cada qual conservava uma certa distância do outro, mínima, mas suficiente para conviver sem ferir, para sobreviver sem magoar, sem causar danos recíprocos. Assim, aprendendo a amar, resistiram ao gelo. Sobreviveram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário